A disponibilidade de remédios e exames na rede municipal de saúde foi tema de uma reunião realizada nesta segunda-feira (29), no Departamento de Saúde. Os vereadores Fabio Kunii e Walmir Chaveiro foram recepcionados pelo presidente do Conselho Municipal de Saúde, Albino Trevisan Neto, que explicou os motivos da falta de medicamentos.

Segundo ele, atualmente há 25 remédios em falta. Nessa lista, estão remédios comprados pelo governo do Estado de São Paulo e outros de responsabilidade do município. No primeiro caso, a entrega será confirmada, mas está atrasada. Já os medicamentos que a rede municipal oferece, é necessário aguardar a realização de uma licitação, que acontecerá no dia 8 de dezembro.

“Eu questionei se havia falta de recursos para a aquisição, e o posicionamento é de que não existe falta de recursos, então é mais uma falta do procedimento aquisitório”, disse o vereador Kunni.

“A gente espera que se resolva essa situação da licitação para que pare esse sofrimento, de todo vez ter que esperar”, completou Chaveiro.
Os vereadores foram informados que o método de compra anterior ficou inviável em razão da pandemia. Também foi adiantado que a cota de exames de sangue, mensal, deverá ser aumentada de 35 mil para 50 mil.
A Farmácia Central também foi visitada, onde foi disponibilizada a lista atualizada com medicamentos em falta. Entre eles, o dipirona, que deve ser entregue pelo governo estadual.

Com: Comunicação CMM  

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here