Navio à deriva sem comando

Por Gustavo Villa*

Me desculpem, mas eu perdi as esperanças! O que de fato mudou com a chamada “Fase Emergencial”, determinada pelo governo do Estado de São Paulo? O governo estadual simplesmente retirou igrejas e lojas de materiais para construção da lista de atividades essenciais e proibiu a realização de atividades esportivas coletivas no Estado. Aumentou as restrições ao comércio, que agora não tem mais retirada, apenas entrega e drive thru. O resto fica tudo normal.

Ora, se não fizer um lockdown bem feito sem priorizar atividades nós vamos viver eternamente neste ciclo de abre fecha sem parar. O pior de tudo é a ausência de um auxílio para que os comerciantes, prestadores de serviço e funcionários dos setores afetados possam passar por esse momento com o mínimo de dignidade possível.

O salário do governador João Dória está caindo na conta dele todo mês, mas o suado dinheirinho dessas pessoas citadas vai deixar de entrar e elas vão sofrer graves consequências econômicas. Entendemos a necessidade das restrições e queremos sim priorizar a saúde, mas não estamos conseguindo compreender porque apenas alguns setores da economia estão sendo prejudicados e outros, pelo contrário, sendo beneficiados. E entendemos menos ainda como vamos fazer para botar comida dentro das nossas casas.

Com relação à nota enviada pela assessoria de imprensa da prefeitura municipal de Mirassol, vocês vão me desculpar também, mas isso se chama se eximir da responsabilidade das mais de 4,5 mil pessoas que já foram infectadas e ajudaram o sistema de saúde da região a colapsar desta forma e dos 93 óbitos confirmados. Dizer que vai seguir as medidas por serem impositivas é mostrar para a população que não tem planejamento e política específicas para a realidade do nosso município e que simplesmente vão fazer somente aquilo que o chefe (Dória) mandar, sem considerar as necessidades locais. 

E as necessidades locais são muitas, com um crescente número de desempregados e de pessoas que não têm o básico para sobreviver. A diferença social fica evidente, quando as escolas privadas ficam autorizadas a seguir com as aulas presenciais enquanto que as públicas vão adiantar o recesso escolar a partir da semana que vem.

Mas a nossa prefeitura parece ter outras prioridades neste momento. Sobre retirar a cobrança da zona azul, proibir corte de luz e água, aumentar prazo para pagamento do IPTU ninguém fala, não é mesmo?

Enquanto isso, quem pode ficar em casa que fique, quem não pode que se proteja e seja o que Deus quiser, porque o navio está em alto mar, à deriva, no meio da tempestade e sem comando aparente.

*Gustavo Villa é professor e jornalista

*Os artigos não refletem, necessariamente, a opinião deste blog

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here