Em meio à pane mundial nas redes sociais nesta segunda-feira, sem transmissão pela TV Câmara, a Câmara de Mirassol aprovou, em regime de urgência, dois projetos de lei que não estavam na pauta: um que aumenta os salários dos vereadores, do presidente da Câmara, do prefeito e do vice-prefeito, com base no acumulado dos últimos doze meses do IGP-M em setembro (24%), e outro que cria o cargo de assessor parlamentar comissionado, com direito a um para cada vereador, ou seja, dez assessores, com salário de R$ 4.100.

Com o reajuste, os salários dos vereadores passam de R$ 3,6 mil para cerca de R$ 4,4 mil. O do presidente da Câmara, que tem direito a mais 50% de verba de representação, sobe para R$ 6,6 mil. Já o salário do prefeito Edson Ermenegildo sobe para R$ 20.104,20 e o do vice Beto Feres para R$ 7.316,70.

No projeto de reposição da inflação também estão previstos o pagamento de férias anuais e 13º salário. Vale lembrar que recentemente o ex-prefeito André Vieira entrou na justiça para reivindicar férias, baseado em ação movida e ganha pelo seu antecessor Junior Ricci.

Votaram contra os projetos os vereadores João Paulo e Pinatto. O presidente, Caco Navarrete, não vota. O projeto que cria o cargo de assessor terá ainda que passar por uma segunda discussão e votação.

1 COMMENT

  1. Assessores! Eles sozinhos já não fazem nada , agora vai dividir o nada por 2, é bem coisa de político mesmo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here